Pelo “sextete”, Barça encara o Sevilla em duelo de vacinados na Georgia

Neymar perde primeira decisão da temporada por caxumba, mas no rival a situação é pior: técnico Unai Emery pode ter cinco desfalques na Supercopa da Europa.

7

Sextete: ganhar os seis campeonatos que o time disputa em um ano. A definição boleira não existe no dicionário, mas está na boca de todo torcedor do Barcelona. O time do tridente, e da Tríplice Coroa na temporada passada, já tem como novo objetivo ganhar os outros três troféus que pode levantar em 2015, e tudo começa nesta terça-feira. Para isso, o Barça precisa passar por um vacinado, porém machucado, Sevilla. Como vencedores da Liga dos Campeões e da Liga Europa, os dois times espanhóis decidem a Supercopa da Europa, em Tbilisi, na Georgia. O Globoesporte.com transmite o jogo ao vivo, a partir de 15h15.

Vacina, aliás, foi um dos principais temas do fim de semana pré-Supercopa da Europa. Neymarnão viajou com o elenco por contrair caxumba. O brasileiro havia sido vacinado, o que evitaria a doença, mas teve azar. Em recuperação por cerca de 15 dias, ele não viajou com o elenco para a Georgia e não ajuda o Barcelona em sua primeira decisão da temporada.

Só que o Barcelona ainda tem Messi e Suárez, as duas outras peças do tridente, o que deixa o desejo do sextete dos catalães não tão distante da realidade. Até porque o feito já foi realizado na Europa, uma única vez, em 2009, pelo próprio Barcelona. O time comandado por Guardiola, e com Messi inspirado, fez história ao ser o primeiro a levar tudo quanto é taça que disputou: Campeonato Espanhol, Copa do Rei, Champions, Supercopa da Espanha, Supercopa da Europa e Mundial de Clubes.

O pensamento do lado catalão é positivo. Sem Neymar, o Barcelona terá um talismã em campo. Mesmo negociando saída do clube ainda nesta janela, Pedro é o provável substituto. O atacante não só estava no ano do sextete como foi o único jogador a marcar em todas as competições.

A situação no Sevilla é um pouco mais dramática, mas não menos otimista. Os andaluzes possuem três desfalques confirmados: Nzonzi com gastroenterite, e a dupla de zaga, Nico Pareja e Carriço, por lesão. Os também zagueiros Rami e Koko são dúvida por problemas estomacais.

– Não me preocupa quem não está aqui. Se as baixas são problemas, não temos Neymar, mas o Sevilla tem mais – disse o técnico do Barça, Luis Enrique.

O adversário, Unai Emery, que fez questão de elogiar a liderança do treinador rival, concorda com Luis Enrique.

– As baixas não podem servir como desculpas para nada. Tenho uma ideia para a partida, o time apresenta bom nível, e podemos competir pelo título.

Apesar da tranquilidade no discurso de Emery, a situação do Sevilla é preocupante. O lateral direito Coke, um dos capitães da equipe, chegou a se oferecer publicamente para jogar como zagueiro. Porém, assim como seu treinador, ele não acha que isso possa impedir o Sevilla de buscar a taça, que escapou na decisão do ano passado, em Cardiff, contra o Real Madrid.

– Faltam poucas horas, vou jogar como precisar para ajudar a equipe. Disputamos um título. No ano passado merecemos a derrota, espero que neste não. O céu é o limite para nós – disse, com segurança.

Do outro lado, jogadores como Daniel Alves, Adriano e Rakitic sabem que o discurso faz sentido, e estas limitações não devem embarreirar o corajoso Sevilla. Os três atletas já atuaram e foram campeões pelo time andaluz. O lateral-direito, inclusive, ganhou sua primeira Supercopa da Europa jogando pelo Sevilla, diante do Barcelona, seu atual time.

– Aprendi muito jogando lá. Leio que somos favoritos, e já vivi essa situação do outro lado. Estamos vacinados contra isso – avisa Alves, usando mais uma vez a palavra-chave preferida da semana.

Com os dois times vacinados, resta saber quem tem o mais eficaz antídoto para o adversário. O Barça tem uma vantagem. Na batalha de Tbilisi, o apoio local promete ser maior para o popular time catalão, e os ingressos para o duelo estão esgotados. Se conquistar o título, o Barcelona ainda terá de ganhar a Supercopa da Espanha, na próxima semana, e o Mundial de Clubes, em dezembro, para voltar a ganhar o sextete.

Comentários

FONTEGlobo Esporte
COMPARTILHE