Carta do príncipe Charles revela temor de divórcio em 1980

Carta de sete páginas foi escrita à mão para amiga no Canadá. 'Algo que me preocupa bastante', disse, antes de se casar com Diana.

3

O príncipe britânico Charles temia a perspectiva de divórcio um ano antes de se casar com a princesa Diana, sugere uma carta escrita por ele em 1980 e que está à venda nos Estados Unidos.

“Eu realmente espero que você tenha se recuperado do traumático negócio do casamento e do divórcio em um curto espaço de tempo”, disse a Janet Jenkins, uma recepcionista do consulado britânico em Montreal que ele conheceu em 1975.

“Graças a Deus você descobriu o erro cedo o bastante e não começou uma família”, ele completa na carta de sete páginas escrita à mão em papel timbrado do Castelo de Windsor.

“Começar uma família e cometer um erro desses é, francamente, algo que me preocupa bastante e eu acho que minha solução de casar com uma garota de cada país da Commonwealth é a melhor!”, brinca.

Ele continua a contar a Jenkins que “o que quer que aconteça, eu vou me assegurar que você seja avisada antes”. A correspondência inclui um cumprimento de aniversário atrasado.

A carta está à venda por US$ 3.900 por Alicia Carroll, uma colecionadora e vendedora de objetos da família real britânica.

Está entre seis cartas escritas pelo Príncipe de Gales a Jenkins que Carroll tinha tentado leiloar no eBay em 2009 com um preço inicial de US$ 30 mil.

Em um e-mail à AFP, Carrol afirmou que as cartas – todas escritas em 1976, além de uma de 1980 mencionando um divórcio – encontraram um comprador, mas a compra falhou quando seu cartão de crédito foi recusado.

Charles casou-se com Diana em julho de 1981; eles se separaram em 1992 e se divorciaram em 1996, um ano antes de ela morrer em Paris em um acidente de carro.

Em uma entrevista de 2009 para a rede de televisão canadense CTV, Jenkins, uma galesa divorciada duas vezes e mãe de um filho, disse que tinha 25 anos quando conheceu Charles, que estava em Montreal em uma visita da Marinha Real.

Carrol disse ter comprado as cartas de Jenkins.

Comentários

VIAFrance Presse
FONTEG1
COMPARTILHE