Alunos com restrições alimentares terão cardápio especial nas escolas estaduais

Representa menos de 1% do total dos 1,1 milhão de alunos (0,40%). O levantamento foi feito em julho.

9

Pesquisa feita pela Secretaria de Estado da Educação aponta que 4.428 alunos da rede estadual de ensino têm alguma necessidade de alimentação especial. Isso representa menos de 1% do total dos 1,1 milhão de alunos (0,40%). O levantamento foi feito em julho.

Foram enviados formulários a todas as escolas estaduais da rede para mapear a incidência dos alunos com diabetes, intolerância à lactose e doença celíaca – intolerância ao glúten, proteína presente no trigo, cevada, centeio, malte a aveia.

Dos 4.428 alunos com alguma restrição alimentar, 537 estão nas escolas de educação especial. O relatório apontou os seguintes resultados: 2.399 alunos têm intolerância à lactose, sendo 180 da educação especial; 1.657 têm diabetes, 319 deles são da educação especial; e há 372 estudantes com doença celíaca, sendo 38 da educação especial.

Com base nos dados, a Coordenação de Alimentação e Nutrição Escolar poderá planejar a compra de alimentos para atender os estudantes com restrições alimentares. O processo licitatório para a aquisição de alimentos para 2016 deve ocorrer ainda este ano.

A Secretaria da Educação prevê a compra de quatro alimentos específicos para o atendimento às necessidades alimentares especiais: adoçante líquido, bebida à base de soja, biscoito sem glúten e polvilho doce. Estes alimentos serão enviados apenas para as escolas que têm alunos com alguma necessidade alimentar especial.

“O atendimento diferenciado mostra o respeito e a preocupação do Governo do Estado em atender bem todos os alunos”, afirmou a coordenadora do Programa Estadual de Alimentação Escolar, Andrea Bruginski Dorigo.

Para a diretora de Infraestrutura e Logística da secretaria, Márcia Stolarski, o levantamento vai embasar um novo salto de qualidade na merenda. “O ano de 2016 representará um novo marco para a alimentação escolar no Paraná, o do atendimento e inclusão dos alunos com necessidades alimentares especiais.”

REFERÊNCIA – O Programa Estadual de Alimentação Escolar do Paraná é referência nacional em compra de alimentos da agricultura familiar, monitoramento nutricional dos alunos, logística de distribuição adotada, diversidade e qualidade dos gêneros utilizados.

Em 2015, o Governo do Paraná vai investir R$ 150 milhões na compra de produtos não perecíveis para a merenda escolar, como arroz, feijão, macarrão e açúcar. Além disso, mais R$ 45 milhões serão destinados somente para compra de alimentos de pequenos produtores.

A merenda escolar passou por uma grande transformação nos últimos anos com a aquisição de produtos da agricultura familiar. Uma vez por semana as escolas da rede estadual, Apaes e unidades conveniadas recebem frutas, verduras, hortaliças, panificados, polpas de frutas, sucos e geleias direto do produtor.

Nos últimos quatro anos, a quantidade de alimentos da agricultura familiar na merenda subiu de 1.885 toneladas para 12.477 toneladas. A quantidade dos alimentos orgânicos também aumentou de nove toneladas para 2.537 toneladas.

Comentários

FONTEAEN
COMPARTILHE